Post em Destaque

BSD em nossas vidas – Vale apena relembrar!

Em 18/11/2011 Patrick Tracanelli, umas das pessoas mais brilhantes que conheci no mundo BSD, postou o comentário abaixo sobre a entrevista de Andrew Tanenbaum mostrando à todos que o BSD domina nossas vidas de uma maneira que as vezes nem enxergamos mas ele está ali, latente. Abaixo tenho o prazer...

Leia mais...

FreeBSD 10.2 – Sistema para Backup com Raiz em RAID 1 (mirror) e Dados em RAID 10 (mirror+stripe)

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre, Tecnologia | Posted on 03-02-2016

Tags:, , ,

5

Fazia um tempo que eu não postava um artigo mas recentemente fiz um Servidor de Backup e nele eu tinha apenas 4 HDs de 2TB cada. Queria aproveitar o espaço em disco e ao mesmo tempo fazer algo seguro. Não preciso dizer que Backup é algo extremamente sério e não podemos bobear com isso.

Nesse artigo vamos montar o sistema assim:

Partições do SO:

RAID 1:

/ – 50Gb

swap – 8Gb

RAID 10:

/dados – restante do espaço

Com o Raid 1 teremos o famoso mirror onde o sistema estará presente em todos os discos. Em caso de falhas os outros discos farão o trabalho de manter o sistema em pé. No Raid 10 teremos o mirror (RAID 1) para manter a segurança em caso de falhas e em cima do mirror, faremos um stripe (RAID 0) para aproveitar bem o espaço dos discos com performance aprimorada.  🙂

Para começarmos a brincadeira, tenha em mãos um CD ou pendrive com o instalador do FreeBSD 10.2-RELEASE.

Como o instalador do FreeBSD não possui suporte para criar os RAIDs durante a instalação, faremos no método manual. Observem a tela abaixo:

tela1

Nesse momento vamos para o shell fazer a nossa configuração das partições. As configurações abaixo fiz para a minha necessidade; sintam-se à vontade de alterá-las:

Temos 4 discos SATA III de 2Tb: ada0, ada1, ada2 e ada3

# gpart create -s gpt ada0

# gpart create -s gpt ada1

# gpart create -s gpt ada2

# gpart create -s gpt ada3

Criando as partições de boot nos discos:

# gpart add -s 128k -t freebsd-boot -l boot0 ada0
# gpart add -s 128k -t freebsd-boot -l boot1 ada1
# gpart add -s 128k -t freebsd-boot -l boot2 ada2
# gpart add -s 128k -t freebsd-boot -l boot3 ada3

Criando as partições de swap de 8Gb:

# gpart add -a 1m -s 8G -t freebsd-swap -l swap0 ada0
# gpart add -a 1m -s 8G -t freebsd-swap -l swap1 ada1
# gpart add -a 1m -s 8G -t freebsd-swap -l swap2 ada2
# gpart add -a 1m -s 8G -t freebsd-swap -l swap3 ada3

Vamos criar o raiz do SO que vai conter todo o Sistema com 50Gb:
# gpart add -a 1m -s 50G -t freebsd-ufs -l root0 ada0
# gpart add -a 1m -s 50G -t freebsd-ufs -l root1 ada1
# gpart add -a 1m -s 50G -t freebsd-ufs -l root2 ada2
# gpart add -a 1m -s 50G -t freebsd-ufs -l root3 ada3

Por último a partição que usaremos para armazenar os backups em RAID10:
# gpart add -a 1m -t freebsd-ufs -l dados0 ada0
# gpart add -a 1m -t freebsd-ufs -l dados1 ada1
# gpart add -a 1m -t freebsd-ufs -l dados2 ada2
# gpart add -a 1m -t freebsd-ufs -l dados3 ada3

Agora que já temos as partições, precisaremos gerar o bootcode nos discos:
# gpart bootcode -b /boot/pmbr -p /boot/gptboot -i 1 ada0
# gpart bootcode -b /boot/pmbr -p /boot/gptboot -i 1 ada1
# gpart bootcode -b /boot/pmbr -p /boot/gptboot -i 1 ada2
# gpart bootcode -b /boot/pmbr -p /boot/gptboot -i 1 ada3

# true > /dev/ada0
# true > /dev/ada1
# true > /dev/ada2
# true > /dev/ada3
Agora que terminamos de definir as partições passaremos para a criação dos mirrors:

Fazendo os mirrors que acomodarão o SO e swap:

# kldload geom_mirror
# gmirror label -h swap /dev/gpt/swap0 /dev/gpt/swap1 /dev/gpt/swap2 /dev/gpt/swap3
# gmirror label -h root /dev/gpt/root0 /dev/gpt/root1 /dev/gpt/root2 /dev/gpt/root3
Agora faremos os mirrors das partições Dados:
# gmirror label -h dados0 /dev/gpt/dados0 /dev/gpt/dados1
# gmirror label -h dados1 /dev/gpt/dados2 /dev/gpt/dados3

Acima criamos o RAID 1 com os 2 primeiros discos para tolerância à falhas.

Para confirmarmos que os mirrors estão OK:

# gmirror status

tela2

Agora precisamos criar o stripe e fechar o RAID 10:
# kldload geom_stripe
# gstripe label -h dados /dev/mirror/dados0 /dev/mirror/dados1

Nesse ponto teremos um device /dev/stripe/dados com aproximadamente 3.5Tb que usaremos pra armazenar nosso backup.  :)

# gstripe status

tela3
 Agora que criamos o RAID 1 e o RAID 10, formataremos eles com UFS:

# newfs -U -L root /dev/mirror/root
# newfs -U -L dados /dev/stripe/dados

Caso os discos sejam SSD, adicione o parâmetro -t conforme abaixo, para habilitar o suporte à TRIM:
# newfs -t -U -L root /dev/mirror/root
# newfs -t -U -L dados /dev/stripe/dados

Próximo passo montaremos o sistema de arquivos para continuarmos a instalação do sistema:

# mount /dev/mirror/root /mnt
# mkdir /mnt/backup
# mount /dev/stripe/dados /mnt/backup

Nesse momento sairemos do shell e retornaremos para a instalação do SO:

# exit

Instale o sistema normalmente até chegar na tela abaixo:

tela4


Nesse ponto volte para o shell onde criaremos o nosso fstab:

# vi /tmp/bsdinstall_etc/fstab

Adicione o seguinte conteúdo:

/dev/mirror/swap  none            swap    sw      0       0
/dev/mirror/root  /               ufs     rw      1       1
/dev/stripe/dados /backup         ufs     rw      1       1

# exit

Continue toda a instalação até a tela abaixo:

tela5

Confirme com Yes e novamente no shell faça a configuração abaixo:

# echo 'geom_mirror_load="YES"' >> /boot/loader.conf
# echo 'geom_stripe_load="YES"' >> /boot/loader.conf

Acima habilitamos a carga dos drivers senão o sistema não vai subir após o boot. :)

Vamos habilitar um report diário sobre o mirror e o stripe e ficarmos atentos se aparecer algum problema:

# echo 'daily_status_gmirror_enable="YES"' >> /etc/periodic.conf

# echo 'daily_status_gstripe_enable="YES"' >> /etc/periodic.conf

Basta agora sair com exit, reiniciar e partir para o abraço. rsrsrs

Espero que este post seja útil para todos.

Abrs e até a próxima.

Referência: https://www.ateamsystems.com/tech-blog/installing-freebsd-9-gmirror-gpt-partitions-raid-1/
Share Button

BSDCon Brasil 2015 – Será em Fortaleza (CE)

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Segurança, Software Livre, Tecnologia | Posted on 09-05-2015

0

Esse ano teremos a BSDCon aqui no Brasil pessoal. Isso mesmo! O maior evento BSD que ocorre no mundo ocorrerá aqui em casa.

Para tanto estou colocando aqui a apresentação do evento que me foi divulgado e junto a chamada para envio de trabalhos que farão parte desse evento maravilhoso.

APRESENTAÇÃO

BSDCon Brasil (http://www.bsdcon.com.br) é uma conferência brasileira
voltada e movida para atender a comunidade BSD.
Sua primeira edição ocorreu em 2003 e reuniu um grande número de
desenvolvedores e usuários de sistemas de linhagem BSD, onde houve uma
excelente e agradável troca de experiências durante palestras e outras
atividades realizadas.

Este ano a BSDCon Brasil acontecerá durante os dias 9 e 10 de Outubro
de 2015, em Fortaleza (CE).

CHAMADA OFICIAL

É com orgulho que anunciamos nossa Chamada para Trabalhos.

Não é necessário que artigos acadêmicos/científicos sejam escritos
para que você submeta uma proposta. Caso você se sinta a vontade para
escrever um artigo, nós o receberemos com prazer.

Palestras apresentadas durante o evento estão previstas para durar
entre 45 e 60 minutos e deve ser ministradas em Português
(preferencialmente), Espanhol ou Inglês.

Aconselhamos que a apresentação de propostas seja escrita com um forte
viés de conteúdo técnico.
Propostas tendenciosas para desenvolvimento de negócios, propaganda e
marketing comercial não atendem as necessidades da conferência e serão
recusadas!

Temas de interesse para a conferência incluem, mas não estão limitados a:

[*] Alta Disponibilidade
[*] Aplicações de Rede
[*] Automação & Sistemas Embarcados
[*] Controladores de Dispositivos (Drivers)
[*] Controle de Aplicações de Terceiros
[*] Documentação & Tradução
[*] Firewall & Roteamento
[*] Integração Contínua
[*] Internet das Coisas
[*] Introdução aos Sistemas *BSD
[*] IPv6
[*] Kernel & Desenvolvimento Interno
[*] Melhores Práticas
[*] Monitoramento & Log
[*] Orchestration
[*] Performance
[*] Privacidade & Segurança
[*] Sistemas de Arquivos
[*] Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
[*] Transmissões Sem Fio
[*] Virtualização

Estamos anciosos para ler o que você tem à nos oferecer! Por favor,
envie sua proposta para:

submissoes (@) bsdcon.com.br

Mande-nos sua proposta, um pequeno resumo sobre você e,
preferencialmente, nos informe sobre custos (valores) para sua viagem.

AGENDA

Aceite de Propostas
8 de Maio de 2015 —– INÍCIO
14 de Junho de 2015 — FIM

Contato com Autores de Submissões Aceitas
13 de Julho de 2015

NOTAS

* Caso sua proposta seja aceita, esperamos que você apresente-a
pessoalmente;
* Palestrantes não necessitam pagar pela inscrição na conferência;
* Podemos custear transporte e hospedagem de palestrantes;
* Gastos envolvendo alimentação não serão custeados pelo evento;
* Utilizaremos um projetor de vídeo para realizar as apresentações.

BSDCon Brasil 2015
http://www.bsdcon.com.br

Share Button

Não seja pego de surpresa com a atualização da libxml2 via ports

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre, Tecnologia | Posted on 14-05-2014

Tags:,

3

Recentemente saiu uma vulnerabilidade no pacote libxml2 e eu meio que no automático fui atualizar e me deparei com uma série de novidades. Bem, para começar não seja pego de surpresa faça o comando abaixo e veja quem você vai ter que recompilar após a atualização dessa lib. Bem já começa porque é uma lib então alguém vai depender dela. rsrsrsr

Abaixo um exemplo que rodei:

# pkg info -r libxml2
libxml2-2.9.1:
php5-5.4.28
php5-dom-5.4.28
php5-soap-5.4.28
php5-xml-5.4.28
php5-xmlrpc-5.4.28
php5-simplexml-5.4.28
php5-xmlreader-5.4.28
php5-xmlwriter-5.4.28
libxslt-1.1.28_3
php5-xsl-5.4.28
mod_php5-5.4.28,1

Ou seja todos esses candangos acima dependem da libxml2 porque foram compilados com ela.  🙂

Um detalhe veja o php5. Então se você já tinha o php5 compilado antes de 27/03/2014 provavelmente você ainda não havia usado o www/mod_php5. Pois é, o Apache PHP Module (mod_php*) foi separado do php5 e agora você vai precisar dele se você usava o jeito antigo. Para quem usa o lang/php53 essa mudança não ocorreu.

Nesse caso para consertar isso é simples:

 20140327:
  AFFECTS: users of lang/php5 and lang/php55 with Apache module
  AUTHOR: [email protected]

  The Apache PHP module has been separated from the main PHP port.
  If you had the APACHE OPTION selected, you have to perform the
  following steps:

  1) update your lang/php* options (i.e. ‘make config’)
  2) rebuild lang/php* port
  3) install www/mod_php* port

  It is *mandatory* to build both ports with the same DEBUG and ZTS
  options, so if you have a threaded Apache (i.e. worker or event MPM)
  you have to select the ZTS option in lang/php* port.

Essa parte de cima foi tirada justamente do /usr/ports/UPDATING.

Alguns servidores peguei outros pacotes dependentes dessa lib como o clamav e o bind, cuidado para não esquecer de recompilá-los senão pode parar um correio ou um DNS. Aqui você vai encontrar um post meu sobre uma ferramenta que ajudará à descobrir pacotes quebrados no sistema, é bem útil.

Bem era isso e uma boa atualização para todos.

Share Button

FreeBSD + OpenBGP + PTT – dicas úteis

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Tecnologia | Posted on 10-05-2014

Tags:, ,

2

Olá povo  🙂  venho nesse post passar algumas dicas úteis para quem possui router FreeBSD rodando OpenBGP e está tentando fechar um peering com o PTT (Ponto de Troca de Tráfego), que no meu caso foi com o PTT-SP. Se você não sabe o que é um PTT então esse post não lhe será útil.  🙂

Vamos aos detalhes:

1º anúncio dos prefixos: defina os anúncios mais específicos para o PTT. Aqui como eu tenho 4 blocos IPv4 /20 sendo anunciados para a minha Operadora de Trânsito para a Internet, resolvi anunciar esses blocos como 8 prefixos IPv4 /21 para o PTT-SP.

2º teste de quantidade de mac address aprendidos simultaneamente: o PTT executa um teste para checar se existe uma limitação baixa para aprendizado de macs. Eles fazem isso disparando diversos pacotes icmp simultaneamente de diversos IPs do PTT. No FreeBSD existe uma sysctl que limita isso, dando a impressão que o FreeBSD não aceita mais que 200 mac address na tabela arp. A variável net.inet.icmp.icmplim vem por default com valor 200. Aumente para um valor acima de 1000, no meu caso coloquei o valor de 2000. Após isso percebi a entrada de 1018 mac address vindos do PTT-SP. Só adicionar no /etc/sysctl.conf.

net.inet.icmp.icmplim=2000

3º enforce neighbor-as: setar na configuração do OpenBGP com o PTT o parâmetro enforce neighbor-as com valor = no. Sem isso as sessões BGP com o PTT não fecham.

Abaixo um exemplo de configuração do OpenBGP para o PTT:

ptt

 

Acima são só exemplos para ajudar em alguma dúvida sobre na configuração do OpenBGP para com o PTT. O correto é realmente estudar o OpenBGP pois existem mais configurações e filtros necessários para cada cenário. Espero ter ajudado.  🙂

Share Button

Você já atualizou seu FreeBSD? Vejam o EoL das versões.

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Segurança | Posted on 30-03-2014

Tags:, , ,

1

Já tem algum tempo que foi disponibilizada uma tabela com as data finais de suporte para algumas versões do FreeBSD. O FreeBSD 8.3, por exemplo, não terá mais atualizações de segurança à partir de 30/04. Nesse caso para manter o sistema seguro deverá atualizar para a versão 8.4 ou posterior e usar a árvore releng ou stable.

Sistemas inseguros são uma das principais causas para as crescentes Botnets que vemos pela Internet, causando danos à terceiros, servindo de armas para cyber ataques como DDoS (Distributed Denial of Service). O último ataque DDoS foi recorde da Internet, bateu 400Gbps de tráfego e usou uma recente vulnerabilidade no NTP, matéria aqui. Por isso como SysAdmins temos a obrigação de mantermos nossos sistemas o mais seguro possível.

Abaixo a tabela de EoL (End of Life) das versões do FreeBSD e fiquem atentos:

 +----------------------------------------------------------------------------+
 |   Branch  |   Release  |  Type  |   Release Date   |     Estimated EoL     |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |stable/8   |n/a         |n/a     |n/a               |June 30, 2015          |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |releng/8.3 |8.3-RELEASE |Extended|April 18, 2012    |April 30, 2014         |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |releng/8.4 |8.4-RELEASE |Extended|June 9, 2013      |June 30, 2015          |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |stable/9   |n/a         |n/a     |n/a               |last release + 2 years |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |releng/9.1 |9.1-RELEASE |Extended|December 30, 2012 |December 31, 2014      |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |releng/9.2 |9.2-RELEASE |Normal  |September 30, 2013|September 30, 2014     |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |stable/10  |n/a         |n/a     |n/a               |last release + 2 years |
 +-----------+------------+--------+------------------+-----------------------+
 |releng/10.0|10.0-RELEASE|Normal  |January 20, 2014  |January 31, 2015       |
 +----------------------------------------------------------------------------+
Share Button

Xen – habilitando console para FreeBSD domU

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre | Posted on 03-03-2014

Tags:, ,

0

Esses dias estava tentando entrar via console pelo Xen em uma VM FreeBSD e não estava conseguindo pois a mesma não vem com acesso configurado no FreeBSD. O resultado é um cursor parado como se estivesse travado, executando o comando abaixo:

# xm console vm_freebsd

Então procurando pela Internet achei a solução simples e rápida para esse problema e por isso venho compartilha-la. Agradecimentos ao Tiago Ribeiro pela descrição da solução:

Com seu FreeBSD virtualizado e rodando, vá ao arquivo /etc/ttys e altere a linha:

ttyu0 “/usr/libexec/getty std.9600” dialup off secure
Para:
ttyu0 “/usr/libexec/getty std.9600” vt100 on secure

 

No arquivo /boot/loader.conf insira a linha:

console=”comconsole”

Agora basta reiniciar a sua VM FreeBSD e rodar novamente o comando para acessar a console dele:

# xm console vm_freebsd

Mais referência aqui.

Share Button

Dicas de atualização do FreeBSD 9.2 para a versão 10.0 compilando tudo.

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre, Tecnologia | Posted on 16-01-2014

Tags:

7

Bem, já venho à um bom tempo atualizando e testando a versão 10.0 do FreeBSD, cujo anúncio oficial deve sair dia 20/01. Resolvi então fazer um relato de algumas coisas que passei e que acredito que ajudará um bocado.  🙂

Outra coisa importante: a ideia aqui é ajudar mas não posso me responsabilizar por qualquer dano causado em seu sistema.

1ª dica: sempre existe aquele medo das coisas não saírem como desejado e perder todos os dados importantes. Para isso é sempre bom começarmos com um bom backup… façam backup de tudo que puderem.

2ª dica: migrem para o pkgng antes de atualizarem o sistema, isso vai facilitar e evitar problemas mais na frente. Isso é muito fácil basta ver abaixo:

# cd /usr/ports/ports-mgmt/pkg
# make install clean
# pkg2ng
# echo ‘WITH_PKGNG=yes’ >> /etc/make.conf

Os comandos acima irão instalar o pacote pkg e converter a base de dados antiga para a nova. Atenção: esse procedimento é irreversível!

3ª dica importante!: se tiver usando algum shell como bash, que não faz parte do sistema, mude para sh ou csh tanto o seu user quanto o do root. Porque se ficar quebrado o shell, você não vai se logar mais remotamente. Só em single user.

4ª dica: após compilar e instalar o seu novo sistema existe uma coisa que dá muita dor de cabeça quando for recompilar os pacotes que foram instalados pelo ports. Essa coisa  se chama: libiconv O FreeBSD 10.0 já vem com essa lib em sua base e não é mais usada a libiconv do ports mas se não for devidamente removida vai dar muito problema nas recompilações. Para fazer a remoção basta fazer:

# pkg query %ro libiconv > /root/ports_to_update
# pkg delete -f libiconv

A primeira linha apenas salva todos os pacotes que usam a libiconv em /root/ports_to_update meramente informativo. A segunda remove o pacote libiconv do sistema.
Os arquivos que não devem mais existir no seu sistema depois disso são esses aqui:

/usr/local/lib/libiconv.a
/usr/local/lib/libiconv.la
/usr/local/lib/libiconv.so.3

5ª dica:  é muito recomendado que se recompile todos os seus pacotes instalados através do ports. Muita coisa mudou entre a versão 9.x e a 10.x e as vezes algo não funciona pelo simples motivo de não ter recompilado as aplicações. Eu costumo usar e indico que se use o portmaster para isso. Antes de começar à recompilar tudo vamos recompilar alguns caras primeiro:

  • Recompilar o pacote dialog4ports porque senão nenhum dialog de ports vai funcionar. Pode fazer make config que não vai funcionar nada. Para resolver:

# portmaster -d dialog4ports

  • Se você usa suporte à mysql e por isso tem instalado algum pacote como esse: mysqlXX-client onde XX pode ser 51, 55 ou 56 você deve compilar ele novamente assim como no exemplo abaixo:

# portmaster -d mysql55-client

Desse jeito vai evitar um monte de problemas com pacotes que dependem dele.  🙂

  • cmake é outro que é bom recompilar para não dar problemas lá na frente.

# portmaster -d cmake

  • gmake, se tiver é bom recompilar logo também:

# portmaster -d gmake

  • Se tiver usando db4 vai precisar trocar para db5:

# portmaster -o databases/db5 db42-4.2.52_5

  • Remover o portaudit já que esse não será mais usado. A nova forma é: pkg audit -F

# pkg delete portaudit
# rm -Rf /var/db/portaudit

6ª dica: alguns pacotes ainda podem dar problemas com o libiconv como é o caso do pacote php5-iconv. Nesse caso experimente excluir o pacote com o pkg e depois instalar ele novamente. Abaixo o exemplo:

# pkg delete -f php5-iconv
# portmaster -d converters/php5-iconv

7ª dica: recompilar tudo já que é o aconselhado. Para fazer isso com o portmaster basta fazer:

# portmaster -d -a -f

Bem pessoal, isso foi o que lembrei aqui mas caso lembre de mais alguma coisa eu atualizo essa página. Como o universo de testes de cada um pode ser diferente do meu, problemas novos podem ocorrer mas acredito que assim como eu… tenho certeza que você vai tirar de letra. 🙂

Boa atualização pra todos.

Share Button

Servidores 1U homologados para FreeBSD, OpenBSD e Linux

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre, Tecnologia | Posted on 06-01-2014

Tags:,

1

A BSDInfo apoia qualquer iniciativa que vá melhorar ou incentivar o melhor uso de BSDs no nosso mercado brasileiro e por isso achei interessante postar essa notícia abaixo que recebi da FreeBSD Brasil. Patrick e Jean parabéns!!!

Temos o prazer de informar que a partir de 2014 a FreeBSD Brasil oferece formalmente os servidores ServerU no Brasil, iniciando a partir do modelo ServerU Netmap L100, a oferta dos equipamentos tem como principais características gerais:

– Servidores de Rack projetados para Open Source
– Homologado e Suportado para FreeBSD
– Homologado e Suportado para pfSense, OpenBSD e Linux
– Homologado para Router OS
– Chipsets Intel Server escolhidos a dedo
– Bypass (fail-open) incluso, testado e suportado para FreeBSD, pfSense e Linux

Nossa primeira oferta, o ServerU Netmap L100 é focado em ambiente pequeno e médio porte, com 6 interfaces de rede Intel, capacidade agregada de roteamento BGP de até 1.5Gbit/s e quase 1 milhão de pacotes por segundo em finalidades específicas (com uso do recurso Netmap do FreeBSD). Além de Display LCM e keypad físico.

Convido todos a conhecerem o equipamento em detalhes, incluindo especificações técnicas, RFC2544 e preço, em:

– http://www.ServerU.us
– http://www.ServerU.com.br

Agora algum background sobre o assunto.

Desde 2002 quando começamos nossas atividades, a FreeBSD Brasil sempre teve a intenção oferecer a nossos clientes, soluções completas, incluindo hardware. Essa idéia por muito tempo foi trabalhada mas nunca havíamos chego em um produto que atendesse antes de mais nada, nossas próprias exigências internas, afim de avaliar a necessidade específica de nossos clientes em um passo seguinte. Por um tempo tentamos com um equipamento que na época chamávamos Devil Boxes, mas por razões técnicas e legais, nunca deu certo. Depois pensamos em uma parceria mais próxima com a iX, trazer os equipamentos deles pra ca, mas o custo pra fazer isso nunca se mostrou competitivo.

Depois de muito tempo, e muito esforço e investimento, há 2 anos começamos a projetar e solicitar a montagem de nossos próprios servidores, algumas vezes alterando projetos existentes, outras substituindo completamente sinalizações PCI e PCIe e chipsets, acabamos tendo diversos protótipos falhos e outros que deram certo mas não tínhamos alguém confiável para montar. Ao buscar parceiros fora do Brasil pra montar em linha, ao invés de apenas samples, encontramos melhores preços mas baixo controle de qualidade.

Finalmente há 1 ano conseguimos qualidade, chipset, sinalização e projeto como desejávamos, e depois de 1 ano de testes em condições reais de uso, incluindo ambiente de missão crítica, como Bancos, Marinha, MP e roteamento BGP de médio porte, colocamos o produto em oferta no mercado.

Os equipamentos trouxeram um grande nível de satisfação interno, tanto junto a alguns clientes FreeBSD Brasil quanto à própria equipe FreeBSD. Por isso esperamos que esse mesmo nível de satisfação seja equivalente com todos nossos outros clientes, futuros clientes, e todos que precisarem de um servidor de rack confiável, robusto, econômico, eficiente, e principalmente projetado, suportado e homologado para software livre.

Para os gestores, e como apoio à tomada de decisão, o Netmap L100 é também uma opção fácil de justificar e defender. Nosso custo total de propriedade é, em média, 30% menor que todos os equivalentes de mercado, DELL, HP e IBM. Além disso, com 30% a menos de custo, consegue-se ainda um equipamento melhor e mais completo, incluindo recursos que os similares de mercado não dispõe como bypass, redes Intel Server, display LCM e outros. Ou seja além de melhor TCO, o retorno do investimento é também mais rápido.

No website colocamos um comparativo financeiro também, que convidamos todos a acompanharem.

Por último, gostaríamos de informar que esse é o primeiro produto ServerU de uma linha que será sempre enxuta, que não deve passar de 3 produtos.

Se tiverem dúvidas complementares, entrem em contato.

ServerU – Apresentação Formal:

Nós fabricamos e fornecemos hardware Servidor para sistemas open source Unix.

ServerU é uma iniciativa conjunto entre a FreeBSD Brasil e a própria ServerU, subsidiária americana estabelecida em Miami, FL. Nosso objetivo é projetar e fabricar servidores profissionais 1U com suporte completo a sistemas open source Unix-like. Fazemos hardware com suporte para FreeBSD, OpenBSD & Linux. Focamos também em servidores ProApps, pfSense e FreeNAS.

De fato acerca da ServerU tem sua motivação principal no ProApps, o Enterprise Professional Appliance feito pela FreeBSD Brasil sob sistema FreeBSD. Com objetivo de entregar soluções completas, compostas do ProApps e um hardware especialmente projetado para ele, temos desde 2012 servidor diversos clientes com equipamentos ServerU. A série ServerU se iniciou com equipamentos A100 (descontinuados).

Ao perceber que usuários e consumidores de sistemas open source (incluindo ProApps) tinham uma deficiência de serviço e oferta adequada de servidores certificados, e levando em conta que fabricantes como HP, IBM e DELL não suportam sistemas open source além de alguns poucos sabores de Enterprise Linux, começamos oferecer e trazer nossos equipamentos ServerU para nossos clientes nas Americas e Europa.

Finalmente trouxemos para o Brasil, com fabricação parcial dos equipamentos em território nacional. Dessa forma a oferta de equipamentos ServerU que por alguns anos aconteceu exclusivamente para clientes ProApps com contrato SaaS, está agora disponível para o público em geral.

Apoiamos com orgulho software open source com mais de 12 anos de experiência. Steve Jobs costumava citar A. Kay dizendo que “Pessoas que levam software a sério devem fazer seu próprio hardware.”

Nós concordamos. ServerU é hardware suportado, testado e projetado para Open Source.
Porque nós levamos software a sério.


ServerU – Servers feitos para sistemas livres Unix-like.
“Porque nós levamos software a sério.”
http://www.ServerU.us
http://www.ServerU.com.br

 

Share Button

FreeBSD 10.0-RC1 – estamos na reta final

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre, Tecnologia | Posted on 07-12-2013

Tags:, , ,

0

Agora sim foi anunciado por Glen Barber o repo svn releng/10.0 que já espelha o FreeBSD 10.0-RC1. Para quem estava esperando pelo primeiro RC, dos supostos 3, essa é a hora de baixar e conferir.

Para fazer a mudança quem estiver usando o stable/10:

# cd /usr/src
# svn info
Path: .
Working Copy Root Path: /usr/src
URL: svn://svn.freebsd.org/base/stable/10
Relative URL: ^/stable/10
Repository Root: svn://svn.freebsd.org/base
Repository UUID: ccf9f872-aa2e-dd11-9fc8-001c23d0bc1f
Revision: 259070
Node Kind: directory
Schedule: normal
Last Changed Author: gjb
Last Changed Rev: 259068
Last Changed Date: 2013-12-07 11:03:14 -0200 (Sat, 07 Dec 2013)

# svn sw  svn://svn.freebsd.org/base/releng/10.0

Depois basta compilar o sistema e instalar (kernel e world). Cuidado com o mergemaster, muita atenção nessa parte que considero uma das mais críticas.

Abaixo o anúncio feito pelo Glen:

The first RC build of the 10.0-RELEASE release cycle is now available
on the FTP servers for the amd64, i386, ia64, powerpc, powerpc64 and
sparc64 architectures.

* Please see the change list for an important note regarding the
bsdinstall(8) ZFS on GELI option.

The image checksums follow at the end of this email.

ISO images and, for architectures that support it, the memory stick images
are available here:

ftp://ftp.freebsd.org/pub/FreeBSD/releases/ISO-IMAGES/10.0/

(or any of the FreeBSD mirror sites).

If you notice problems you can report them through the normal GNATS PR
system or here on the -current mailing list.

If you would like to use SVN to do a source based update of an existing
system, use the “releng/10.0” branch.

Important note to freebsd-update(8) users:  Please be sure to follow the
instructions in the following FreeBSD Errata Notices before upgrading
the system to 10.0-RC1:

– EN-13:04.freebsd-update:
http://www.freebsd.org/security/advisories/FreeBSD-EN-13:04.freebsd-update.asc

– EN-13:05.freebsd-update:
http://www.freebsd.org/security/advisories/FreeBSD-EN-13:05.freebsd-update.asc

Pre-installed virtual machine images for 10.0-RC1 are also available
for amd64 and i386 architectures.

The images are located under the ‘snapshots’ directory on FTP, here:

ftp://ftp.freebsd.org/pub/FreeBSD/snapshots/VM-IMAGES/10.0-RC1/

The disk images are available in both QCOW2, VHD, and VMDK format.  The
image download size is approximately 135 MB, which decompress to a 20GB
sparse image.

The partition layout is:

– 512k – freebsd-boot GPT partition type (bootfs GPT label)
– 1GB  – freebsd-swap GPT partition type (swapfs GPT label)
– ~17GB – freebsd-ufs GPT partition type (rootfs GPT label)

Changes between -BETA4 and -RC1 include:

– Fix to a regression in bsdinstall(8) that prevents ZFS on GELI
installation from working correctly.[*]

*Please note: a last-minute problem was found in 10.0-RC1
testing with this installation option that is still being
investigated.  Please do *not* select the GELI encryption
option from the installer.  Although the installation
successfully completes, the GELI passphrase will *not*
decrypt the GELI provider.

– Build Hyper-V kernel modules by default for i386.

– Update oce(4) driver to support 40Gbps devices.

– Improve robustness of the Xen balloon driver.

– Fix accounting for hw.realmem on the i386 and amd64 platforms.

– Fix poweroff(8) on XenServer.

– Fix powerd/states on AMD cpus.

– Add support for BCM57764, BCM57767, BCM57782, BCM57786 and
BCM57787.

– Fix PKG_ABI detection in bsdconfig(8) after pkg-1.2.

– Fix emulated jail_v0 byte order.

– Fix hang on reboot with active iSCSI connections.

– Fix a potential system crash if a jail(8) is created and destroyed
on systems with VIMAGE.

== ISO CHECKSUMS ==

– 10.0-RC1 amd64:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64-bootonly.iso) = c640ac78fee2cbc411b701ecc028286c7514fe324ce5ba57176edc42fa143d85
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64-disc1.iso) = f41c8d4b78cfb6ec0cca4ad21f937fe1e6a65e7b61167467860110c3290d650e
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64-memstick.img) = 9015c7cb025bc9d62eb989b22a172a756a6fb53646bad9fa83ee6e53358737f8

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64-bootonly.iso) = f183fe88ed81d2cebef7fed42084d62b
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64-disc1.iso) = dd2b48fbe752a78d6e002abbd1a04bc6
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64-memstick.img) = 54d1c86aa05bfbf5e5c11450c74e3e5a

– 10.0-RC1 i386:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-i386-bootonly.iso) = a77c69c1483447a47aa7efb74a77d0db297427671384f6743330a3c5b508c3ee
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-i386-disc1.iso) = beb48fcd2dfcde9ace0a44ff689085baf3bc80575503af4e3bc445ec894d2255
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-i386-memstick.img) = 01fbf1c70af180a7d01fc0d279552d24ad6da302ec0fac0727ff00bd146cc04f

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-i386-bootonly.iso) = 03a30dc2485ec596dfc068c0e173510c
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-i386-disc1.iso) = c11cd8955b183a39163f4eb66f4a312a
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-i386-memstick.img) = 9c544ef2186c25b8ed76690f806dbc67

– 10.0-RC1 ia64:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-ia64-bootonly.iso) = fe13352fad5835b85d19897ac222c73a13be29be848a80c1a025871bd60735ae
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-ia64-disc1.iso) = c031581ebdcb457233b3a51ef6598053130ac4a9414fef885d2e1cbabe7c41a4
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-ia64-memstick.img) = bd9b058d639a6649a7394dc1bc588e80f75c41bc1521a50b66d9d8a623fee9fd

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-ia64-bootonly.iso) = c6df39a7a561dee8ffddb412f5313f50
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-ia64-disc1.iso) = 19dea92e71cfb9fe0c66f57be4588805
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-ia64-memstick.img) = a783748b0f101629a7c2a2ad87d8d813

– 10.0-RC1 powerpc:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-bootonly.iso) = 2feb3f9a7b1e3c5662fc8be154cc758e32afcb5c4b97ecaf9c3d24cc4cee9599
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-disc1.iso) = bb9f456932d41f67aa7c99c58c94bbb38f61ac3c5bf3a72894aa7ddea88bf39e
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-memstick.img) = d1c320b4bc5d3fd85bab04b7b441a51d3d060130931a9d2195df0653b51a6d71

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-bootonly.iso) = e7fe84f27f2efffa33317ec36e90e41e
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-disc1.iso) = 4386dff3617a72b05d4b950a6938aab6
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-memstick.img) = e1b8b471adff5167754550a763b85a09

– 10.0-RC1 powerpc64:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-powerpc64-bootonly.iso) = c9e51bf25b5deed99810b0b41ba4589475682254c54af34dbaf534aeff1b5fad
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-powerpc64-disc1.iso) = 175f45e29346acaacd4767b3508da88f6a72cfa8170366bba91cb1460bd0158b
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-powerpc64-memstick.img) = b1df2f1bd7fed90d496ba75a5fb9d56c9980c288ac27f5aeb468ff1d867706c1

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-powerpc64-bootonly.iso) = bfe477b499fd4eaa125d7ccd44bcc5ef
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-powerpc64-disc1.iso) = c9d6f722d9f5132097ed9084695ee07f
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-powerpc-powerpc64-memstick.img) = 2bfeef18a4e062030683d93975ac738c

– 10.0-RC1 sparc64:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-sparc64-bootonly.iso) = 32d18bdb5a56f938dc9e2a6887bba878a5bc0148cfb497e7835deb56453a76f6
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-sparc64-disc1.iso) = 60c75a42e86384df9cd310a73b3202d4af395745e4b439d573e42bd0f69a0e61

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-sparc64-bootonly.iso) = 7f5b692b7ec22acfdde1a523c2b8aa9f
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-sparc64-disc1.iso) = 9ce742472d0fed5b9a6dde09848907c4

== VM IMAGE CHECKSUMS ==

– 10.0-RC1 amd64:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64.qcow2.xz) = fe36f1518049f3994cac8c9443b6ec54c99b2284b697aa8d3dc688c7ecb35aff
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64.vhd.xz) = b73ec025304860b1124cb213a635022153d0fbd26ed7933a3341c01cd28acb30
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64.vmdk.xz) = e9519660a5f1580af51407e38a2e77c0997a8d517bf5ab2c7240191285b0e498

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64.qcow2.xz) = 65e7240207db3937ac822e6577294d9c
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64.vhd.xz) = 35c01e68934c81047bf4311574314786
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-amd64.vmdk.xz) = b9815682f5a6d510c97bd901026d1b7c

– 10.0-RC1 i386:
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-i386.qcow2.xz) = 9d977b9032f2ecfc30958bc6dc3f0a4a6d506374c02e7aae327f370f156b7769
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-i386.vhd.xz) = 7c62ed754d4c339b0670ddd2e8a88601b341bd69695c91cdcaaf3c59a0533dfc
SHA256 (FreeBSD-10.0-RC1-i386.vmdk.xz) = b28f26ee2a48c40381677ea8e9b57805aa92be1f78f5d4a57bb4adc3bc80971a

MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-i386.qcow2.xz) = 84b06ae30236db5dbb608c2b82c40996
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-i386.vhd.xz) = d23f7b0596f4df11bb4aa8c0da86cb98
MD5 (FreeBSD-10.0-RC1-i386.vmdk.xz) = b15a4b3b9ec4823f41bf6d5d5ef16b3d

Glen

Share Button

BSD Magazine – Mês Outubro

Posted by gondim | Posted in Dicas, FreeBSD, Software Livre, Tecnologia | Posted on 19-10-2013

Tags:,

1

BSD Magazine é uma revista mensal de excelente qualidade técnica, visual e gratuita para todo e qualquer profissional que queira ficar bem informado sobre tecnologia e informação utilizando BSD e outros Softwares Livres. A revista encontra-se em idioma Inglês e para baixá-la basta informar o seu e-mail e clicar para baixar. Todas as outras edições anteriores também podem ser baixadas. Seu formato está em pdf.

Conteúdo:

  • FreeBSD Moves to Subversion
  • Gentle Introduction to Programming in Clojure
  • The Revamped Life-Preserver – How New ZFS Utilities are Changing FreeBSD & PC-BSD
  • Migrating from Linux to FreeBSD
  • FreeBSD for C++11 Developer (Eclipse Indigo + CDT + GCC 4.8)
  • FreeBSD Programming Primer – Part 9
  • Improved Updates and LTS for OpenBSD
  • Column: The Computer Says “No”
  • Interview with Klaus P. Ohrhallinger

Bsd_10_2013

Share Button